Imagens das publicações mais destacadas deste canal alternativo

São imagens referentes às verdades mundiais, que a mídia dominada pela ELITE MALDITA, não revelam e tentam abafar. Aqui nós mostramos sem cortes....

Imagens das publicações mais destacadas deste canal alternativo

São imagens referentes às verdades mundiais, que a mídia dominada pela ELITE MALDITA, não revelam e tentam abafar. Aqui nós mostramos sem cortes....

Imagens das publicações mais destacadas deste canal alternativo

São imagens referentes às verdades mundiais, que a mídia dominada pela ELITE MALDITA, não revelam e tentam abafar. Aqui nós mostramos sem cortes....

Imagens das publicações mais destacadas deste canal alternativo

São imagens referentes às verdades mundiais, que a mídia dominada pela ELITE MALDITA, não revelam e tentam abafar. Aqui nós mostramos sem cortes....

Imagens das publicações mais destacadas deste canal alternativo

São imagens referentes às verdades mundiais, que a mídia dominada pela ELITE MALDITA, não revelam e tentam abafar. Aqui nós mostramos sem cortes....

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Israel condena à prisão empregado da ONU que ajudou o Hamas

Resultado de imagem para Israel condena à prisão empregado da ONU que ajudou o Hamas


Jerusalém, 4 Jan 2017 (AFP) - Um funcionário palestino da ONU, acusado por Israel de ajudar o movimento islamita Hamas, que governa a Faixa de Gaza, foi sentenciado a sete meses de prisão nesta quarta-feira.

Wahid Borsh, um engenheiro que trabalha no Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), detido em julho passado, foi declarado culpado por ter "contribuído involuntariamente com uma organização ilegal", explicou sua advogada, Leah Tsemel, referindo-se ao Hamas, que Israel considera uma formação terrorista.

Wahid Borsh, um habitante de Gaza que tinha 38 anos no momento da prisão, aceitou declarar-se culpado em troca de uma pena menor.


Resultado de imagem para Wahid Borsh


As autoridades israelenses anunciaram suas suspeitas contra Wahid Borsh na mesma ocasião da prisão de outro funcionário humanitário, e os dois casos foram usados como prova de uma malversação sistemática da ajuda internacional.

O Hamas governo a Faixa de Gaza, submetida a um bloqueio terrestre, aéreo e marítimo por parte de Israel, assim como a um rigoroso controle das pessoas e mercadorias que cruzam suas fronteiras.

Dois terços dos dois milhões de palestinos que vivem na Faixa de Gaza tentam superar a crise humanitária com a ajuda externa, cuja chegada depende tanto de Israel como do Hamas.



FONTE:
Share:

O Maior Fabricante De Eletrônicos Do Mundo Acelera O Plano De Substituir Seres Humanos Por Robôs



Foxconn pode não ser uma empresa que está na vanguarda da maioria das mentes americanas, mas os produtos que eles criam certamente são. Natal pode não ter sido o mesmo sem considerar as compras de iPhone da Apple, alguns dos produtos Kindle da Amazon, ou Xbox da Microsoft para citar apenas alguns. A empresa sediada em Taiwan é líder mundial na fabricação de eletrônicos com contrato, com uma capitalização de mercado de US $ 100 bilhões no mercado norte-americano; Eles também se tornaram o terceiro maior empregador do mundo com 1,3 milhões, o que torna as seguintes notícias que muito mais preocupante.

Foxconn primeiro subiu para algum nível de notoriedade - na verdade infâmia - quando relatos de violações de direitos humanos começaram a surgir no início da década. Foxconn escolheu para remediar um pico de suicídios de trabalhadores durante 2010-2011 em uma de suas fábricas chinesas através da instalação de "redes suicidas" para aqueles submetidos a escravo condições poderia permanecer na plantação. No entanto, 2.000 trabalhadores se revoltaram em 2012 em meio a acusações de abuso por seguranças tornando-se duvidoso que as condições tinham melhorado.

Agora, com o aumento da automação, a Foxconn está liderando o caminho para eliminar a necessidade de lidar com funcionários humanos completamente, demonstrando que a corrida para o fundo pode acabar em fábricas cheias exclusivamente de robôs.

O gerente geral do "comitê de automação" da Foxconn, Dai Jia-peng, discutiu recentemente um plano trifásico para converter a força de trabalho humana em "Foxbots".
Fase 1: ". Planos envolvem substituir o trabalho que é perigoso ou envolve seres humanos trabalhistas repetitivas não estão dispostos a fazer" (como o material que presumivelmente poderia levar um ser morto no trabalho ou cometer suicídio - NW)
Fase 2: "envolve a melhoria da eficiência através da simplificação de linhas de produção para reduzir o número de robôs excesso em utilização."
Fase 3: " envolve a automação de fábricas inteiras, 'com apenas um número mínimo de trabalhadores afectos à produção, logística, testes e processos de inspeção," de acordo com Jia Peng. "

( Fonte )

O programa já foi implementado e está mostrando resultados. Melissa Dykes relatado no início deste ano que a Foxconn tinha êxito eliminado 60.000 empregados em apenas uma de suas fábricas. As três fases listadas acima são esperadas por Jia-peng resultar em uma automatização de 30% em todas suas 12 fábricas chinesas assim que 2020.

No entanto, a Foxconn é apenas o canário na mina de carvão de do outsourcing global de seres humanos para máquinas que está a acelerar rapidamente à medida que a transição para o novo ano, e alguns especialistas estimam podia ver todos nós terceirizada até 2045 . Esta pode ser a razão pela qual a automação tornou-se um tema tão proeminente da elite econômica e seu braço corporativo de relações públicas de mídia. A proposta de uma vez estranho, como um Universal Renda Básica está agora a ser considerada seriamente, e até entrou na fase-piloto em países como a Finlândia e Escócia .

Em uma conferência econômica de 2014 em Davos, na Suíça, um especialista em inteligência artificial e aprendizado de máquinas, Jeremy Howard, declarou categoricamente que estamos prestes a enfrentar condições semelhantes às que ocorreram após a Revolução Industrial e os preparativos para a revolta precisam ser feitos. Você pode ouvir sua linha do tempo para a eliminação humana abaixo:




A pesquisadora mencionada, Melissa Dykes, tem acompanhado a estrada ainda mais longa que as elites parecem ter estado pavimentando enquanto os seres humanos são apressados ​​agora para sua extinção econômica inevitável. Melissa e Aaron Dykes criaram um must-see mini-documentário intitulado Obsoleto que destaca o contexto histórico de como chegamos a este ponto. Eles apresentam conexões problemáticas entre a filosofia da elite e seus métodos para gerenciar uma população humana que terá muito menos relevância no crescente mundo de máquinas.

Por favor, veja e compartilhe o trailer abaixo, bem como a entrevista que se segue com o cineasta Aaron Dykes, a fim de apreciar a magnitude do que está ocorrendo.

Livros recomendados para entendimento adicional sobre o futuro das máquinas e como evitar ser terceirizado para um:










Share:

A Agenda 21 Para Uma Sociedade Sem Dinheiro Prosseguiu Em 2016




No vídeo abaixo, após um breve vídeo de propaganda australiana patrocinado pelos bancos, Vin Armani quebra sinais de que a agenda de criação de uma sociedade sem dinheiro está avançando em pleno vapor em 2017.

A peça de propaganda sem dinheiro australiano foi intitulado nota de $ 100 a ser desfeito? Austrália para reprimir os pagamentos em dinheiro e estados,

A Austrália parece seguir os passos da Venezuela e da Índia ao abolir a nota de maior denominação do país em uma tentativa de reprimir a "economia negra".

Falando à rádio ABC na quarta-feira, a Receita e Serviços Financeiros Ministro Kelly O'Dwyer sinalizou uma revisão da nota $ 100 e pagamentos em dinheiro sobre certos limites como o governo olha para recuperar bilhões em impostos não pagos.

A atualização do orçamento de meio-dia de segunda-feira incluirá a nomeação do ex-presidente mundial da KPMG, Michael Andrew, para supervisionar uma força-tarefa da economia negra. A economia negra responde por 1,5 por cento do PIB, dado que muitos pagamentos em dinheiro não são tributados.

Gizmodo escreveu recentemente um artigo intitulado O primeiro-ministro da Índia planos para a Sociedade Cashless:

Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia, tem uma tempestade econômica em suas mãos após sua decisão de proibir as notas de 500 e 1.000 rupias. Em seu discurso mensal no domingo, Modi levou suas ambições mais longe com um chamado para uma sociedade sem dinheiro.

De acordo com uma tradução da Reuters, Modi disse: "Eu quero dizer aos meus pequenos irmãos e irmãs mercadores, esta é a chance para você entrar no mundo digital."

A proibição eliminou 80 por cento da moeda do país da circulação e trouxe o comércio para uma paralisação virtual. Mas ao invés de fazer backup, parece que Modi está dobrando para baixo. "Podemos passar gradualmente de uma sociedade menos dinheiro para uma sociedade sem dinheiro", disse ele aos ouvintes.

E a UE já eliminou a nota de 500 euros depois de uma campanha de propaganda bem sucedida que rotulou a nota "bin Ladin" para fazer parecer uma arma suja para os terroristas. Fortune escreveu O Fim do 500 da nota do euro poderia levar a uma economia sem dinheiro :

Depois de meses de intensas deliberações, o Banco Central Europeu decidiu, em abril, eliminar a nota de 500 euros em um esforço para conter o financiamento do terrorismo e outras atividades ilegais.

O banco anunciou planos para encerrar a produção de 500 euros no valor de 574 dólares até o final de 2018, embora as letras em circulação serão consideradas como moeda legal.

A nota, também apelidada de Bin Laden, raramente é usada pelo público em geral. Cerca de 60% dos europeus dizem nunca ter visto um - mas tem sido usado para evadir impostos, em operações terroristas e outras atividades ilegais. 
.... 
"Eliminar o bilhete de banco poderia ajudar a moderar a atividade criminosa, mas na realidade as implicações são muito mais amplas", escreveram analistas de Stratfor em uma nota de pesquisa de fevereiro. "A idéia é apenas o passo mais recente em um processo contínuo movendo a Europa e, de fato, o mundo, mais perto de uma economia totalmente sem dinheiro".

A sociedade sem dinheiro também está vindo para os Estados Unidos com o ex-secretário do Tesouro Larry Summers recomendando "matar a conta $ 100" no The Washington Post :






O que deve acontecer a seguir? Eu acho que a idéia de remover notas existentes é um passo muito longe. Mas uma moratória sobre a impressão de novas notas de alta denominação faria o mundo um lugar melhor.



FONTE:
Share:

IMPÉRIO HOMOSSEXUAL: Twitter bloqueia campanha em apoio a pastores, após intimação por preconceito contra gays

Advogados de Houston intimaram pastores a mudar sermões sobre homossexuais

A rede social Twitter bloqueou uma campanha criada para apoiar pastores da cidade de Houston (EUA), que questionam o estilo de vida dos gays.


(Foto: Reuters/David Gray)
Rua pintada com cores da bandeira gay.


A hashtag #HoustonWeHaveAProblem (Houston, nós temos um problema) deu início ao ato. A frase foi dita em uma missão espacial, em 1970, ao comando da agência NASA, em Houston.

A ideia seria alertar para um problema que os pastores têm passado em Houston, ao serem intimados a mudar seus sermões contra a homossexualidade.

Os discursos dos evangelizadores são encarados como preconceituosos, sobretudo por Houston ser governada por Annise Parker, prefeita assumidamente lésbica.

Desta maneira, um grupo de advogados da cidade solicitou que o discurso moralizador fosse repensado, para ser feito de maneira branda ou ser descartado.

Como contrapartida, o órgão cristão Faith Driven Consumer iniciou a campanha e uma petição contra a intimação, utilizando o site HoustonProblem.com.

A campanha exige que a cidade de Houston "cesse e desista da ideia de bullying e outras ações ofensivas" contra pastores, que para o grupo cristão se tratam de vítimas desta perseguição perpetrada pelo governo local.

A iniciativa não teve vida longa no microblog, e o staff do Twitter bloqueou a campanha alguns minutos depois do lançamento.

Mesmo assim, o Faith Driven Consumer pretende continuar com a campanha por seu site, apoiados na Primeira Emenda, que "protege a liberdade de expressão e de religião".

O grupo também tem a proposta de insistir para que o Twitter desbloqueie a hashtag, em prol de quem adere à causa.

"Estamos pedindo o Twitter para desbloquear imediatamente milhares de pessoas que já se reuniram para a nossa petição e que querem espalhar a palavra de costa a costa", afirmou Chris Stone, fundador da Faith Driven Consumer.


FONTE:
Share:

Seita satânica atrai celebridades como Jay-Z e Beyonce

Depois do boom da Cientologia - conjunto de crenças e práticas criado por L. Ron Hubbard - que prega, dentre outras coisas, que as pessoas são seres imortais que se esqueceram de sua verdadeira natureza – outra seita está fazendo a cabeça das celebridades da Hollywood. Conhecida como OTO (abreviação do latim Ordo Templi Orientis, ou Ordem do Templo Oriental), é uma prática religiosa que tem como um dos fundadores o ocultista Aleister Crowley.


(Foto: Divulgação)
Close da tatuagem de Peaches Geldof.


Segundo matéria publicada pelo jornal britânico Daily Mail, famosos como a cantora Beyonce, o rapper Jay-Z e o guitarrista da banda Led Zeppelin Jimmy Page são alguns dos possíveis seguidores da seita, que conta com rituais sadomasoquistas e uso de drogas pesadas, como ópio, mescalina, cocaína e heroína.

Fundada em 1895 por Carl Kellner, Franz Hartmann e Theodor Reuss, e posteriormente reformulada por Aleister Crowley, a OTO preza pela discrição de seus seguidores. Muitos dos símbolos e nomenclaturas utilizados pelos seus adeptos são parecidos com os usados pela maçonaria.

Em entrevista ao Daily Mail, John Bonner, 62, um dos principais líderes atuais da crença, declarou que a OTO não deseja e nunca desejou ter apelo popular, mas afirma “No Reino Unido somos centenas. No mundo, milhares”.

Para os mal informados, a OTO pode parecer um culto pacifista à primeira vista, por incentivar pessoas a explorar “um sistema de crenças no dia-a-dia da vida a fim de alcançar a paz”. No entanto, um olhar mais atento, mostra que a seita é muito mais maléfica do que aparenta.

Declarações como as da socialite inglesa Peaches Geldolf, que resolveu incentivar seus 148 mil seguidores no Twitter a explorar “um sistema de crença libertário” têm chamado a atenção da sociedade. Em resposta à pergunta de uma internauta, Geldolf recomenda: “Se eu fosse vocês, compraria os livros de Aleister Crowley”.

Curta-nos no Facebook


(Foto : Divulgação)
Close da tatuagem de Peaches Geldof


O casal Jay-Z e Beyonce, apontado como o primeiro casal bilionário do mundo da música pelo International Business Times e citado na lista das 100 pessoas mais influentes do mundo pela revista Forbes, também seriam seguidores da OTO, segundo o Daily Times.


(Foto: Divulgação)
Beyonce faz suposto sinal de Hórus durante apresentação com o marido Jay-Z


Jay-Z estaria usando símbolos da seita como o olho de Hórus (antigo símbolo egípcio relacionado ao satanismo) e estampado a frase-lema de Crowley em sua linha de roupas, Rocawear. O rapper do Brooklyn tem sido ultimamente associado com a Maçonaria, os Illuminati e outras ordens pelas dicas que exibe em seus trabalhos.


(Foto: Divulgação)

Suposta referência a um dos principais símbolos da seita OTO (abreviação do latim Ordo Templi Orientis, ou Ordem do Templo Oriental), o sinal de Hórus , na capa do álbum de Jay-Z “Show me what you got”.

Fundador se intitulava como “A grande besta do 666”

Nascido em uma família britânica de classe alta em 1875, Aleister Crowley é considerado um dos ocultistas mais influentes de todos os tempos. Era conhecido por performar grandes orgias sadomasoquistas regadas por sangue e drogas pesadas como heroína e cocaína.

Foi amplamente criticado por “agir contra os valores religiosos e morais de seu tempo” e acusado de comer bebês em rituais de magia negra, além de gravar símbolos a fogo na pele de mulheres membros da seita.

Crowley também era conhecido como “A grande besta do 666”, ou simplesmente “A besta”, apelido ganhado ainda na infância, quando a mãe do garoto, extremamente religiosa, percebeu o comportamento do filho.

Seita tem como lema: “Fazes o que tu queres”

O líder John Bonner conta que o livre-arbítrio é a chave da religião. Tanto que quando um membro decide se desligar da seita, é presenteado com uma carta de parabéns. “As pessoas podem chamar de culto sexual ou algo parecido, mas nós reconhecemos, aceitamos e adoramos todo o processo que torna o impossível realidade.” Esta abordagem individualista fascina artistas e celebridades, como a jovem Peaches, que recentemente tatuou um coração com a sigla OTO no braço esquerdo.

Bonner admite que muitas pessoas não são capazes de assimilar os princípios da seita. “Não recomendo que os interessados pratiquem nossos preceitos logo de início. Ser um membro da OTO requer tempo e estudo e nossos rituais não são para consumo público. É necessário passar por um processo de iniciação antes de começar a entender, mas de acordo com nossas crenças não podemos deter ninguém. Se você tem mais de 18, é são e livre para participar das iniciações, você possui o direito inegável de participar”, afirma.

Ted Gundersen, ex-agente do FBI que investigou grupos satânicos em Los Angeles, conta que os ensinamentos de Crowley sobre invocação de demônios necessitavam de sacrifício humano, de preferência de jovens.


FONTE:
Share:

ONU DECLARA GUERRA CONTRA A CIVILIZAÇÃO JUDAICO-CRISTÃ




No mês passado o presidente da Assembleia Geral da ONU, Peter Thomson, usava de forma ostensiva o famoso cachecol xadrez palestino, o keffiyah, símbolo da "resistência palestina" (leia-se terrorismo). Isso é simplesmente a continuação da destruição cultural de Israel, que serve para justificar o próximo passo, que é o extermínio físico do país. 

O ano de 2016 foi fantástico para os antissemitas nas Nações Unidas. O Conselho de Segurança da ONU visou somente a única democracia do Oriente Médio: o Estado de Israel. A sainte Administração Obama, segundo consta, orquestrou o que até o Haaretz chamou de uma campanha de "aprontar e sair correndo" na ONU para denegrir o estado judeu e deixá-lo à mercê da própria sorte onde avultam apenas conflitos e ódio. Trata-se de um genocídio cultural que não é menos perigoso do que os ataques terroristas. Ele se baseia em mentiras antissemitas e cria um clima para que não seja alcançada a "paz", como dissimuladamente se propaga e também para perpetuar a guerra.

A Resolução 2334 do Conselho de Segurança da Nações Unidas é o ápice de um ano vertiginosamente proveitoso para os antissemitas. Em novembro passado, comissões da Assembleia Geral da ONU adotaram, em um único dia, dez resoluções contra Israel, a única sociedade aberta do Oriente Médio. Quantas resoluções foram aprovadas contra a Síria? Uma. Quantas contra o estado pária da Coreia do Norte? Uma. Quantas contra a Rússia, quando anexou a Crimeia? Uma.

Hillel Neuer, da UN Watch, fez a seguinte observação:

"Mesmo quando o presidente sírio Bashar Assad se prepara para o massacre final do seu próprio povo em Aleppo, a ONU aprova uma resolução - elaborada e co-patrocinada pela Síria - que falsamente condena Israel por tomar "medidas repressivas" contra cidadãos sírios nas Colinas de Golã. É simplesmente obsceno".

Nem uma única resolução foi aprovada em relação aos países que realmente violam os direitos humanos, como a Arábia Saudita, Turquia, Venezuela, China e Cuba, isso para não falar dos inúmeros países verdadeiramente tirânicos em toda a África. Apenas uma resolução foi aprovada no tocante às "propriedades de refugiados palestinos", mas sequer uma única menção sobre a propriedade dos cristãos iraquianos em Mossul.

Outra resolução neste banquete racista das Nações Unidas diz respeito à "aplicação da Convenção de Genebra nos territórios ocupados". Há centenas de disputas territoriais no mundo, do Tibete ao Chipre, mas será que apenas Israel merece ser mencionado?

De acordo com os mentirosos das Nações Unidas, o país mais perverso do mundo é Israel. O Alto Comissário de Direitos Humanos Zeid Ra'ad do Escritório do Alto Comissariado para os Direitos Humanos da ONU e o príncipe Zeid al Hussein da Jordânia já estão patrocinando uma "lista negra" de empresas internacionais que têm laços com empresas israelenses na Judeia, Samaria, Jerusalém Oriental e nas Colinas de Golã para facilitar o boicote a Israel, na esperança evidente de exterminar economicamente a única democracia e nação pluralista da região: o estado judeu.

A Representante Especial das Nações Unidas para Crianças e Conflitos Armados Leila Zerrougui da Argélia, sugeriu também incluir o Exército de Israel na lista negra de países e grupos que causam corriqueiramente sofrimento às crianças, juntamente com Al Qaeda, Boko Haram, Estado Islâmico, Talibã e países como o Congo e a República Centro Africana, abominada por conta de suas crianças-soldado - obviamente que isso não se aplica aos palestinos, que continuam promovendo o uso de crianças como combatentes e como "mártires". Como é que a jurisprudência Ocidental, criada após a Segunda Guerra Mundial para evitar que fossem cometidos mais crimes contra a humanidade, agora está sendo usada para perpetuar mais crimes e justamente contra as democracias?

A Comissão das Nações Unidas para os Direitos das Mulheres condenou Israel como o único violador mundial dos direitos das mulheres. Não a Síria, onde as forças de Assad usam o estupro como tática de guerra ou o Estado islâmico, que escraviza as mulheres das minorias religiosas. Não a Arábia Saudita, onde as mulheres são punidas se não estiverem vestidas com os trajes islâmicos que cobrem o corpo inteiro em temperaturas escaldantes ou se dirigirem um carro ou até mesmo se saírem de casa desacompanhadas. Não o Irã, onde o "adultério" (que pode incluir o estupro) é passível de punição por apedrejamento até a morte. E se palestinos espancam as esposas a culpa é de Israel, segundo afirmou a especialista da ONU Dubravka Simonovic com a maior cara lavada.

A Organização Mundial da Saúde das Nações Unidas também seleciona singularmente Israel como o único infrator do mundo da "saúde ambiental, mental e física", apesar de Israel ser o único país do mundo, que a bem da verdade, proporciona assistência médica aos seus inimigos (pergunte aos filhos dos líderes do Hamas).

Michael Lynk, canadense, professor de Direito foi então nomeado como investigador "imparcial" da ONU sobre supostas violações israelenses dos direitos humanos, apesar da sua longa história de lobismo contra Israel, incluindo a sua participação no conselho de muitas organizações pró-palestinas, incluindo os Amigos de Sabeel e o Conselho Nacional de Relações árabes-canadenses.

Em outubro passado a agência cultural da ONU, UNESCO - ao declarar, como num passe de mágica, que locais bíblicos judaicos da antiguidade são na verdade "islâmicos", muito embora o Islã sequer existisse historicamente até o Século VII, pois veio a ser estabelecido centenas de anos mais tarde - quis, com a cumplicidade pérfida do Ocidente, apagar as raízes judaico-cristãs de Jerusalém.

É uma manipulação terrível procurar apagar toda a história judaica e cristã para que se acredite que todo o mundo era originalmente e eternamente somente islâmico. É uma jihad. Esta é a cara da jihad. Não se trata apenas de macacões laranja, decapitações e escravidão. Se é possível apagar e reescrever a história, também é possível redirecionar o futuro. Se você não sabe de onde você vem, em nome de que valores você irá lutar ou defender?

Nomes importam sim. Se for um nome judeu, então ele é chamado de "Judeia e Samaria", se for um nome "Palestino", poder-se-ia dizer que os "judeus o roubaram" e que Israel é uma "entidade colonialista" edificada na "injustiça". Por que então ninguém aponta para todo o continente da América do Sul, usurpado dos índios pelas armas de Cortés, Pizarro e outros europeus?

A última resolução do Conselho de Segurança da ONU contra Israel não trata somente de "assentamentos", mas também da Cidade Velha de Jerusalém. Seus membros querem voltar a história, não para o ano de 1967 e sim 1948, o ano em que Israel nasceu.

Quando Marcel Breuer e Bernard Zerfuss projetaram o edifício da UNESCO em concreto e vidro na Place Fontenoy em Paris e Pablo Picasso doou afrescos ao empreendimento, eles muito provavelmente imaginavam o renascimento da cultura ocidental após as tragédias da guerra, do Holocausto e do pesadelo nazista. Nunca em nenhum outro lugar do planeta palavras como "educação", "ciência", "cultura", "liberdade", "paz" e "fraternidade" foram repetidas tantas vezes. Havia esperança e comprometimento de que o futuro seria melhor - não pior. Mas o sonho não durou mais do que poucos minutos após o anúncio.

A União Soviética já tinha de fato manchado programas culturais da UNESCO com o vermelho do comunismo, como quando a UNESCO promoveu a "nova ordem da informação mundial", cuja meta era acabar com o domínio da imprensa ocidental - apresentada como uma "ameaça" à "identidade cultural" das nações do "Terceiro Mundo". Daí em diante, debaixo da Torre Eiffel, o Terceiro Mundo autoritário e antiocidental assumiu o controle do centro cultural da ONU, que se tornou, de acordo com o Washington Post, "excessivamente burocrático, oneroso, perdulário, imbuído de um forte viés antiocidental e anticapitalista".

Desde então Israel continua a ser tratado como um pária por esses criminosos ideológicos e tangíveis do Sena. Mesmo depois disso tudo, em 1975 a ONU "mostrou sua verdadeira face" disseminando o libelo de sangue antissemita: "sionismo é uma forma de racismo".

No mês passado o presidente da Assembleia Geral da ONU, Peter Thomson, usava de forma ostensiva o famoso cachecol xadrez palestino, o keffiyah, símbolo da "resistência palestina" (leia-se terrorismo). Isso é simplesmente a continuação da destruição cultural de Israel, que serve para justificar o próximo passo, que é o extermínio físico do país.

O destino da civilização judaico-cristã - o cristianismo, bem como o judaísmo - sobre os quais se baseiam todos os nossos valores, está ligado ao destino do Estado de Israel. Se Israel deixar de existir, o mesmo acontecerá com o cristianismo. O mundo é testemunha de como os poucos cristãos e demais não muçulmanos que ainda restam no Médio Oriente - outrora os gloriosos cristãos de Bizâncio - estão sendo massacrados, uma vez que os judeus e os gregos se foram.

A guerra das Nações Unidas contra os judeus de Israel é no fundo uma guerra contra o Ocidente. A ONU e seus defensores estão rapidamente abrindo caminho para o califado europeu.




FONTE:
Share:

SUBMISSÃO E PASSIVIDADE AO ISLAMISMO: CLERO CRISTÃO DÁ BOAS-VINDAS AO ISLÃ NA IGREJA E ENTÃO CURVA-SE PARA ELE



Existe uma tendência preocupante e crescente na Itália e na Europa.

Pela primeira vez em mais de 700 anos, as canções islâmicas ressoaram na Catedral de Florença, a Igreja Santa Maria del Fiore.
Um sacerdote no sul da Itália, então, enfureceu os paroquianos vestindo a Virgem Maria em uma burqa muçulmana para o Natal de sua igreja … estas iniciativas inter-religiosas baseiam-se na gradual eliminação da herança ocidental-cristã em favor do islamismo …

Seguem destaques traduzidos do artigo:

* Em julho passado, pela primeira vez durante uma missa na Itália, um verso do Corão foi recitado do altar.

* Um padre no sul da Itália enfureceu os paroquianos vestindo a Virgem Maria em uma burqa muçulmana para o Natal de sua igreja. Estas iniciativas inter-religiosas baseiam-se na gradual eliminação da herança ocidental-cristã a favor do islamismo.

* O clero católico provavelmente está desorientado pelo próprio papa Francisco; Ele foi o primeiro a permitir a leitura de orações islâmicas e leituras do Alcorão no Vaticano.

* O Papa abraçou o relativismo religioso quando se trata do Islã. Ele repetiu que a violência islâmica é obra de "um pequeno grupo de fundamentalistas" que, segundo ele, não têm nada a ver com o Islã.

* O bispo Harries da Igreja da Inglaterra sugeriu que o serviço de coroação do príncipe Charles deveria ser aberto com uma leitura do Corão. Nos EUA, mais de 50 igrejas, incluindo a Catedral Nacional de Washington, mantêm leituras do Alcorão. Há alguma leitura da liturgia cristã nas mesquitas?

* Como é que tão poucos líderes cristãos levantaram suas vozes contra este ataque sem precedentes a um monumento cristão? Eles organizaram tantas leituras do Alcorão em suas próprias igrejas, de modo que agora elas vêem como normal converter uma igreja em mesquita?

* Não seria melhor para a Igreja Católica estabelecer um verdadeiro diálogo com as comunidades islâmicas baseado em princípios como reciprocidade (se construir mesquitas na Europa, construímos igrejas no Oriente Médio), proteção das minorias cristãs no Crescente e teológico Repúdio da jihad contra os "infiéis"?

Mais detalhes no artigo em Inglês compartilhado …



FONTE:
Share:

ISRAEL "APAGADO" DOS LIVROS DE TEXTO DAS ESCOLAS PALESTINIANAS SUBSIDIADAS PELA ONU



PARA OS PALESTINIANOS, ISRAEL 
SIMPLESMENTE NÃO EXISTE...

As escolas patrocinadas pela ONU na Faixa de Gaza e na Judeia e Samaria fazem uso de livros de texto em que Israel foi simplesmente "apagado". Não existe. Mais ainda: esses ridículos materiais "didácticos" ensinam que tanto o Muro Ocidental como a Cave dos Patriarcas em Hebron são lugares exclusivamente muçulmanos que os judeus tentam ocupar. Até os selos do tempo do Império Britânico - quando este dominava aquela região então denominada "Palestina" - foram alterados com a remoção da língua hebraica.

A investigação agora realizada por Israel aos livros de texto usados nas escolas dirigidas pela ONU concluiu que Israel deixou pura e simplesmente de existir.

Esses livros são escritos pelo "Ministério Palestiniano para a Educação" (mas que educação ???), e chegam ao ridículo de tentar ensinar as crianças palestinianas que Israel não existe, nem sequer com as fronteiras de 1947...!

É caso para perguntar: se Israel realmente não existe, qual a razão da luta armada dos palestinianos? Se calhar, são as modernas representações do D. Quixote de la Mancha...

Num desses livros escolares, o sionismo é descrito como um movimento colonialista fundado por judeus europeus visando reunir judeus de todo o mundo para colocá-los na "Palestina" e em outros países vizinhos árabes. Os textos desses livros forçam ainda a ideia de que os sionistas o fazem através de métodos, tais como a imigração e a expulsão das populações árabes das suas terras.
Nesses livros subsidiados pelas Nações Unidas não é feita qualquer menção da ligação religiosa ou histórica dos judeus à Terra de Israel ou a Jerusalém. As escolas não mencionam tampouco nos seus manuais qualquer sítio sagrado judaico, nem o Muro Ocidental, nem a Cave dos Patriarcas, nem sequer o túmulo de Raquel.

Pelo contrário, esses manuais escolares ensinam que todos esses lugares são locais sagrados muçulmanos que os judeus tentam ilegitimamente controlar.

As crianças dessas escolas controladas pela ONU são também ensinadas que os massacres de judeus pelos árabes em 1929 (especificamente em Safed, Hebron e Jerusalém) se chamam"revolta de al Buraq", e que foram realizadas para impedir que os judeus conquistassem e ocupassem essas cidades sagradas.

Nesses massacres, mais de 130 judeus foram massacrados pelos seus vizinhos árabes.


NEGAÇÃO DA LÍNGUA HEBRAICA


VEJA-SE NO SELO ORIGINAL (À DIREITA)
A LÍNGUA HEBRAICA, APAGADA NO SELO DA
ESQUERDA ENTRETANTO REVISADO
PELOS "ARTISTAS" PALESTINIANOS...

Mas os disparates não se ficam por aqui. Nos livros de texto compilados pelos "mestres palestinianos" mas pagos pela ONU a própria língua hebraica foi apagada. Num dos livros encontra-se a gravura de de um selo corrente na época do mandato britânico que originalmente tinha palavras escritas em hebraico, inglês e árabe. As novas gravuras do selo representadas pelos "artistas" palestinianos apagaram as palavras em hebraico, deixando apenas as que estão em inglês e em árabe...

DESAPARECIMENTO PROVOCADO DE TODAS AS POVOAÇÕES JUDAICAS




PARA OS PALESTINIANOS, TEL AVIV NÃO EXISTE...

Nestes ridículos livros de texto subsidiados pela ONU, não há menção da existência de judeus em Israel, muito menos de qualquer povoação judaica depois de 1948 nos seus mapas. 

A própria cidade de Tel Aviv - a segunda maior em Israel - passou a ser re-denominada como "Tel al-Rabia"...

Apesar das promessas feitas pelo presidente da Autoridade Palestiniana para rever todos estes textos, a verdade é que esse indivíduo nada fez até agora.

Convém recordar que durante a guerra defensiva travada por Israel contra o Hamas na Faixa de Gaza, as escolas patrocinadas pela ONU foram utilizadas pelo Hamas para depósitos de armamento...


FONTE:
Share:

CRISTOFOBIA: O GLOBO SE IRRITA APÓS CRIVELLA CITAR DEUS SETE VEZES EM DISCURSO DE POSSE




O ranço contra os cristãos tem se tornado cada vez mais frequente, mas O Globo publicou uma matéria ontem na qual deixa isso bastante claro. Com o título “Crivella cita deus 7 vezes em discurso de posse”, o jornal tratou do assunto como se fosse um ultraje ou um ato imoral.

Vou separar alguns trechos, em seguida irei comentá-los.

“Depois de passar uma campanha inteira fugindo do rótulo de “político religioso”, para evitar a rejeição de eleitores — como acabou ocorrendo em 2014, na campanha para o governo do estado —, o lado bispo de Marcelo Crivella falou mais alto durante a cerimônia de posse, e em muitos momentos.”

Aqui, já temos a primeira mentira. Desde quando citar deus aumenta a rejeição de alguém? Muito pelo contrário, aliás. A esmagadora maioria da nossa sociedade é cristã e acha isso totalmente normal, alguns até consideram anormal alguém não citá-lo. Isso tanto é verdade que em 2014, por exemplo, Dilma Rousseff fez um discurso para um público evangélico dizendo “Feliz é a nação cujo Deus é o senhor”. O detalhe é que no caso de Dilma é pura hipocrisia, uma vez que ela nem é religiosa.

“A palavra “Deus”, por exemplo, foi citada sete vezes em uma fala de trinta minutos. Ele também falou de Jesus, fé, bençãos, pastores, agradeceu a religiosos de diversas correntes e se incluiu como “pastor” em determinado momento do discurso.”

Primeiro, uma fala de 30 minutos é bem grande, dá para dizer muito em tanto tempo. Há palestras que duram menos que isso. Falar em Jesus, agradecer a religiosos e se incluir como pastor também não é nenhum problema, até porque é tudo verdade. Ele é mesmo pastor e obviamente recebeu votos em sua maioria de cristãos. Tudo normal. O que há de errado, então?

“Assim que começou o pronunciamento, Crivella mostrou que o tom do discurso seria bem diferente dos debates e agendas de meses atrás.”

Sim, é óbvio. Por que ele usaria o mesmo tom dos debates, se não estava debatendo? Por que usaria a mesma postura da agenda de campanha, se já está eleito e empossado? É evidente, a partir daí, que O Globo não encontrou razões plausíveis para atacar Crivella. Tudo o que disseram é óbvio, normal e completamente irrelevante. Não seria, então, toda essa postura apenas um ranço guardado por terem perdido a eleição? Afinal, a Globo apoiou Marcelo Freixo, né?




FONTE: 
Share:

ATENÇÃO: POLICIAIS DE ISRAEL PREPARAM ESQUEMA DE SEGURANÇA PARA VINDA DO "MESSIAS"



Está chegando a hora do falso messias se manifestar! Ele firmará um acordo de paz entre judeus e palestinos, unirá as religiões e o mundo, e instituirá a construção do 3º Templo em Jerusalém!

Nossa reunião com Cristo também é chegada, como o apóstolo Paulo disse em 2ª Tessalonicenses 2:2: "Que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo estivesse já perto. Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus."

(acho que já sei quem "pode" ser este falso cristo, e estarei falando sobre isso nos próximos vídeos).

O comissário Roni Alsheikh, Chefe do Departamento de Polícia de Israel, anunciou semana passada que as forças policiais estão se preparando para a chegada do Messias. Para isso, precisaram montar um esquema de segurança.

“Nós, da polícia, estamos muito envolvidos em assegurar os mitzvot (mandamentos Bíblicos) entre o homem e seu próximo. Quando o Messias vier, todo mundo vai querer chegar perto dele e isso pode criar muito tumulto”, explicou o comissário ao site Breaking Israel News.

Ao descrever o papel importante da polícia quando ocorrer a vinda do Messias, Alsheikh, explicou: “não estamos apenas ocupados com a aplicação da lei, também estamos tentando adotar medidas preventivas para mostrar consideração para os nossos cidadãos.

A missão da polícia israelense é pautada pela exigência bíblica de “amar o seu próximo”. “Não há dúvida de que a felicidade e o serviço a Deus aproximará a todos [os cidadãos]”, asseverou.

Ele encerrou dizendo que “Em breve, se Deus quiser, precisaremos começar a preparar as operações de segurança necessárias pois o Messias terá chegado”.

Por Jarbas Aragão 


FONTE: Gospel Prime
Share:

Sobre Mim

Minha foto
UMA PESSOA SINCERA, TEMENTE A DEUS E SERVO DE NOSSO SENHOR E SALVADOR JESUS CRISTO. INTIMIDADE ALÉM DAS APARÊNCIAS!!!! APOIO OS SEGUINTES LINKS: (www.observandoanovaordem.blogspot.com/) (www.simceros.org/) CANAL OTANERY1, DO YOU TUBE.

Blogger Themes

Total de visualizações de página

Seguidores deste canal

Arquivo Geral do Blog

Minha lista de Sites e Blogs Parceiros

Translate this page

Receba notícias em seu e-mail

Hora Certa

Elite Maldita

Subscribe here to get our newsletter in your inbox, it is safe and EASY!

UOL AFILIADOS

LOMADEE.COM

LOMEDEE.COM